6 de setembro de 2019

Procon-JP recebe denúncias e notifica aplicativo ifood sobre possíveis práticas abusivas

Evanice Gomes

A Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor está notificando o aplicativo ifood para que explique denúncias de possíveis práticas abusivas. Durante reunião com representantes dos donos de bares e restaurantes, os comerciantes do setor informaram que a prática mais problemática da plataforma delivery é a cobrança, entre outras, de taxas abusivas que recaem diretamente na comunidade consumerista como um todo.

O secretário Helton Renê explica que o Procon-JP foi procurado e recebeu a denúncia dos comerciantes com preocupação, já que o consumidor final, aquele que recebe a comida em casa ou no trabalho utilizando o aplicativo também paga todas as taxas que incidem sobre o serviço. “Estamos averiguando as denúncias dos empresários, principalmente porque ela afeta toda a sociedade consumerista. Se há prática abusiva, nós vamos descobrir”.

O aplicativo ifood é uma alternativa que permite solicitar refeições diretamente do celular sem ter que fazer a ligação para restaurantes e lanchonetes próximos de onde você estiver. “Basta que o consumidor esteja cadastrado no app. O aplicativo vem se tornando muito popular em todo País”, informou o secretário.

É preciso averiguar – “Não somos contra o avanço e modernização da logística de mercado. Muito pelo contrário, acreditamos que a internet está aí para ajudar e tornar a vida mais confortável. Entretanto, se há uma relação de consumo e se existe denúncias de problemas, seja em que nível

for, com a possibilidade de o consumidor está sendo prejudicado, nós precisamos averiguar”, salienta o titular do Procon-JP.

Taxa abusiva – Os comerciantes também relataram que o aplicativo não disponibiliza telefone de contato para que se dirimam dúvidas ou para o caso do surgimento de algum problema. “Segundo os donos de restaurantes e lanchonetes, o app também cobra taxas abusivas, forçando o encarecimento do serviço e isso deságua junto ao consumidor”, disse Helton Renê.

Paga e perde – Ele acrescenta que a questão já está sendo analisada pelo Procon-JP. “Se a taxa estiver fora da realidade e padrão do mercado pessoense já se configura prática abusiva e, portanto, haverá, intervenção. É preocupante a chegada de uma plataforma que dita as regras sem considerar a logística da realidade do mercado. Quando isso ocorre, certamente é a sociedade consumerista que paga e perde nessa relação desigual”.

Segurança alimentar – Outra denúncia é quanto à segurança alimentar que é desconsiderada pelo aplicativo. “Segundo os comerciantes, qualquer pessoa de posse de um cadastro de Micro Empreendedor Individual (MEI) pode vender produtos na plataforma sem o devido cuidado com alvarás, a exemplo do documento da Vigilância Sanitária, entre outros, que possam atestar a segurança alimentar. Nesse caso, estamos falando sobre vidas porque um alimento sem as condições básicas de higiene pode causar sérios problemas à saúde e até levar à morte”.

Artigo 4º – Helton Renê acrescenta que, considerando tudo, o aplicativo está sendo notificado para que preste esclarecimentos. “Também invocamos o artigo 4º do Código de Defesa do Consumidor (CDC), que prevê a harmonização da relação de consumo entre fornecedores, intermediação do poder público a fim de assegurar a qualidade dos produtos e serviços e, claro, garantir a defesa do consumidor”.





©2015 | PROCON JP | Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Rodolfo Abrantes

Avenida Dom Pedro I, nº 473, Centro , João Pessoa – PB. CEP: 58013-020. Central Telefônica - +55 (83) 3214-3040 - SAC: 0800 083 2015